5 perguntas e respostas sobre investimento em imobiliário

Investimento Imobiliário - 5 perguntas e respostas

Designed by Freepik

Existem diversas formas de rentabilizar o seu investimento em imobiliário: o arrendamento de longa duração, o alojamento local, de quartos a estudantes, mais comuns, mas também de terrenos para cultivo ou a edificação de empreendimentos, para investidores mais profissionais.

Qualquer pessoa pode investir no imobiliário?

O mercado do arrendamento é muito abrangente, e tem-se caracterizado por uma enorme procura face à escassa oferta, nos últimos anos, pelo que é uma boa possibilidade para qualquer pessoa que pretenda gerar um rendimento extra. Em termos de investimento, é considerado dos mais seguros, pois o património retém normalmente o seu valor, ou pode mesmo valorizar, sendo o principal risco as oscilações normais do mercado imobiliário. 

Como funciona o negócio do investimento imobiliário?

Para ser-se senhorio e ter alguns imóveis para arrendar, necessita de ter capital próprio (preferencialmente) ou de recorrer ao banco para adquirir um determinado imóvel, como forma de o conseguir rentabilizar, colocando-o no mercado de arrendamento, com uma margem suficiente para pagar as suas despesas, incluindo impostos, e gerar a sua rentabilidade.

Ao receber uma renda, tem um fluxo de dinheiro regular e constante, aumentando assim as suas receitas.
Com esta receita extra, pode poupar ou reinvestir. Passa assim a ter mais ferramentas disponíveis para tornar a sua vida financeira ainda mais saudável.

Investir em arrendamento é rentável?

Normalmente, a taxa de rentabilidade média no mercado local para investimento em arrendamento é na ordem dos 5 a 6% brutos. Por exemplo, se comprar um apartamento por 80.000€ e o arrendar por 400€/mês tem uma rentabilidade bruta de 400€ x 12 meses / 80.000€ = 6%. O seu consultor imobiliário pode ajudá-lo a detalhar todos os custos com impostos, condomínio, IMI, etc., de modo a calcular a rentabilidade líquida do imóvel onde pretende investir, em concreto.

Em comparação, a maioria das aplicações disponíveis atualmente na banca poderá ter rentabilidades brutas de cerca 1% (5 a 6x menos do que no arrendamento).

Como posso tornar o meu investimento ainda mais rentável?
  • Faça uma avaliação consistente do valor que poderá cobrar pelo arrendamento (tendo em conta a localização, áreas, ano de construção, qualidade dos acabamentos, o número de quartos e de casas de banho,…);
  • Avalie corretamente o valor de mercado do imóvel que vai adquirir; o seu consultor imobiliário fez um estudo de mercado para estipular o preço de venda do imóvel, e pode-o ajudar a comparar com outros imóveis semelhantes que se têm vendido recentemente; para além disso pode também ajudá-lo a negociar o valor junto do proprietário atual;
  • Questione ao seu consultor imobiliário todas as informações sobre o imóvel, nomeadamente o valor patrimonial, do IMI, do condomínio, bem como da sua situação em relação a eventuais obras de manutenção ou eventuais dívidas que possam ser relevantes para as contas do investimento;
  • Aproveite para ter o imóvel a custo zero (com as rendas que estão a ser praticadas nos últimos anos em Portugal, caso tenha recorrido a um crédito habitação, a renda é normalmente superior ao valor da prestação que paga ao banco e, dependendo do valor, poderá ainda fazer uma poupança com o excedente).
Quais os principais riscos associados?
  • Estado de conservação do imóvel: deve supervisionar o/os imóveis e gerir algumas questões com os inquilinos, em relação a possíveis estragos ou alterações que façam sem permissão;
  • Incumprimento do inquilino: o seu consultor imobiliário tem formação e experiência para o ajudar a selecionar um inquilino capaz, e diminuir assim o risco de ter problemas com o inquilino; mas lembre-se sempre que um bom negócio só o é se for para ambas as partes; por outras palavras, se o inquilino estiver satisfeito, não terá problemas em pagar uma renda justa;
  • É necessário estar consciente de que o negócio de arrendamento de longa ou de curta duração tem sempre algum risco, pelo que a taxa de rentabilidade pode variar;
  • Deve garantir que a renda dos inquilinos paga parte prestação ao banco (caso seja o caso).

RECEBA UMA AVALIAÇÃO GRATUÍTA AO SEU IMÓVEL!

Agende já uma reunião comigo.  Tenho todo o gosto em lhe apresentar em detalhe os nossos serviços e em lhe oferecer uma avaliação gratuíta ao seu imóvel, sem compromisso.

20 dicas para o ajudar na manutenção da sua casa

Agora que estará mais tempo em casa, há pequenos cuidados de manutenção que vale a pena ter, que ajudam a evitar riscos maiores… é mais fácil do que parece. Com gestos “simples” do dia-a-dia é possível prevenir situações inesperadas na habitação, como por exemplo avarias, inundações, ou até incêndios.

Apresentamos-lhe, então, 20 dicas que ajudarão a ter um lar mais seguro. Tome nota:
  1. Quando notar uma fuga de água numa torneira, arranje-a o mais rápido possível; frequentemente, um pequeno ajuste nas ligações, ou a troca de um vedante podem resolver a questão, se o fizer atempadamente;
  2. Utilize filtros nos ralos dos lavatórios e do lava-loiça e faça desentupimentos com regularidade;
  3. Garanta a correta conservação dos bicos e dispositivos de segurança do fogão ou placa;
  4. Mantenha fósforos, isqueiros ou qualquer outro produto inflamável fora do alcance das crianças;
  5. Não aproxime cortinas, tecidos ou outros objetos facilmente inflamáveis junto de fontes de calor, como fogões, aquecedores ou lareiras;
  6. Ao desligar uma ficha, não puxe pelo cabo elétrico;
  7. Nunca ligue aparelhos elétricos que estejam molhados, húmidos ou apresentem os cabos danificados;
  8. Mantenha o filtro do exaustor limpo;
  9. Em caso de avaria ou curto-circuito de um aparelho elétrico, corte a energia no quadro elétrico geral;
  10. Não tente efetuar reparações em instalações elétricas ou de gás. Chame um profissional certificado;
  11. Não abra a porta de casa ou do prédio a ninguém sem ter a certeza da sua identidade;
  12. Feche sempre a porta à chave, quer esteja fora ou dentro de casa;
  13. Se mora numa casa de piso térreo, pondere instalar grades de proteção nas janelas;
  14. Em caso de mudança de casa ou perda/roubo de chaves, substitua as fechaduras de imediato;
  15. Sempre que se ausentar de casa por um período prolongado, desligue da corrente elétrica os equipamentos que não precisam de ficar ligados, feche o contador da água e informe os seus familiares ou vizinhos para estarem atentos a movimentações suspeitas na casa;
  16. Equacione instalar um sistema de alarme;
  17. Se tem um jardim ou quintal, limpe as folhas durante o outono;
  18. Limpe com frequência as caleiras, de folhas e outros detritos que podem entupir os tubos de queda; desta forma, está também a prolongar o tempo de vida das caleiras, pois secam mais rapidamente;
  19. Ventile a casa todos os dias; abra as janelas, deixe o ar fresco entrar; ao renovar mais vezes o ar, diminui significativamente a acumulação de humidades, a criação de fungos e melhora a qualidade do ar interior que respira;
  20. Um seguro multirriscos para a habitação e respetivo recheio permite garantir a proteção da casa e dos seus bens, garantindo segurança e conforto de toda a família. 

RECEBA UMA AVALIAÇÃO GRATUÍTA AO SEU IMÓVEL!

Agende já uma reunião comigo.  Tenho todo o gosto em lhe apresentar em detalhe os nossos serviços e em lhe oferecer uma avaliação gratuíta ao seu imóvel, sem compromisso.

Covid-19: Recomendações na Compra e Venda de Casa

O nosso país e o mundo estão perante um enorme desafio com a pandemia do Covid-19, mas a Equipa Imobiliária Sérgio Fonseca continua a trabalhar para si, cumprindo as recomendações da DGS (Direção Geral de Saúde).

Durante esta fase, privilegiamos o contacto telefónico, pelas redes sociais e por email, fazendo reuniões por videoconferência e visitas virtuais, por exemplo, para reduzir o contacto pessoal ao mínimo indispensável.

É por isso importante estar a par da informação oficial e fidedigna, da qual destacamos os seguintes pontos, mais relevantes no âmbito da atividade de mediação imobiliária:

Como se transmite o Covid-19?
  • A COVID-19 transmite-se por contacto próximo com pessoas infetadas pelo vírus, ou superfícies e objetos contaminados.
  • Esta doença transmite-se através de gotículas libertadas pelo nariz ou boca quando tossimos ou espirramos, que podem atingir diretamente a boca, nariz e olhos de quem estiver próximo.
  • As gotículas podem depositar-se nos objetos ou superfícies que rodeiam a pessoa infetada. Por sua vez, outras pessoas podem infetar-se ao tocar nestes objetos ou superfícies e depois tocar nos olhos, nariz ou boca com as mãos.
Qual é o período de incubação?

Estima-se que o período de incubação da doença (tempo decorrido desde a exposição ao vírus até ao aparecimento de sintomas) seja entre 2 e 14 dias. A transmissão por pessoas assintomáticas (sem sintomas) ainda está a ser investigada.

O que é um contacto próximo?

Os seguintes casos podem ser considerados como contactos próximos:

  • Pessoa com exposição associada a cuidados de saúde, nomeadamente a prestação de cuidados diretos a doente com COVID-19 ou o contacto em ambiente laboratorial com amostras de COVID-19;
  • Contacto em proximidade ou em ambiente fechado com um doente com COVID-19 (ex: sala de aula);
  • Pessoas que viagem com doente com COVID-19: Companheiros de viagem; num avião: as pessoas que estão dois lugares à esquerda ou à direita do doente, 2 lugares nas duas filas consecutivas à frente do doente e dois lugares nas duas filas consecutivas atrás do doente e tripulantes de bordo que serviram a secção do doente; e num navio, pessoas que partilharam a mesma cabine e tripulantes de bordo que serviram a cabine do doente.

 

MEDIDAS DE PREVENÇÃO

Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel ou com o antebraço, nunca com as mãos, e deitar sempre o lenço de papel no lixo;

  • lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar os “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%;
  • evitar contacto próximo com pessoas com infeção respiratória;
  • evitar tocar na cara com as mãos;
  • evitar partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado.
  • As pessoas que correm maior risco de doença grave por COVID-19 são os idosos e pessoas com doenças crónicas (ex: doenças cardíacas, diabetes e doenças pulmonares).
  • Se tiver risco de doença grave por COVID-19, deve:
  • Tomar precauções diárias, mantendo a distância de outras pessoas;
  • Afastar-se de pessoas doentes quando sair;
  • Limitar o contacto próximo;
  • Lavar frequentemente as mãos;
  • Evitar multidões.
  • Se houver um cluster na sua comunidade, evite o contacto próximo com pessoas e, se possível, mantenha-se em casa. Preste atenção aos sinais e sintomas. Se ficar doente, permaneça em casa e ligue para o SNS24.
  • De acordo com a situação atual em Portugal, não está indicado o uso de máscara para proteção individual, exceto nas seguintes situações:
  • Suspeitos de infeção por COVID-19;
  • Pessoas que prestem cuidados a suspeitos de infeção por COVID-19.
  • A Direção-Geral da Saúde não recomenda, até ao momento, o uso de máscara de proteção para pessoas que não apresentam sintomas (assintomáticas). O uso de máscara de forma incorreta pode aumentar o risco de infeção, por estar mal colocada ou devido ao contacto das mãos com a cara. A máscara contribui também para uma falsa sensação de segurança.

 

Pode encontrar mais informações no site do Ministério da Saúde, em: https://covid19.min-saude.pt/perguntas-frequentes/

 

Fale connosco através do telemóvel, redes socias, ou e-mail! 

RECEBA UMA AVALIAÇÃO GRATUÍTA AO SEU IMÓVEL!

Agende já uma reunião comigo.  Tenho todo o gosto em lhe apresentar em detalhe os nossos serviços e em lhe oferecer uma avaliação gratuíta ao seu imóvel, sem compromisso.

Documentos para Compra e Venda de um Imóvel

Documentos para Compra e Venda de um Imóvel

Designed by Pressfoto / Freepik

Pode encontrar aqui a lista de documentos necessários para comprar ou vender um imóvel. Sinta-se à vontade para nos contactar para qualquer questão.

DOCUMENTOS PARA VENDA:

  • Cartão de Cidadão
  • Caderneta Predial
  • Registo Predial
  • Licença de Utilização
  • Ficha Técnica
  • Certificado Energético
  • Plantas do Imóvel

RECEBA UMA AVALIAÇÃO GRATUÍTA AO SEU IMÓVEL!

Agende já uma reunião comigo.  Tenho todo o gosto em lhe apresentar em detalhe os nossos serviços e em lhe oferecer uma avaliação gratuíta ao seu imóvel, sem compromisso.


DOCUMENTOS PARA COMPRA:

  • Cartão de Cidadão
  • Declaração de IRS
  • Nota de Liquidação de IRS
  • Carta de Efetividade
  • Recibos de Vencimento *
  • Extratos Bancários *

* dos últimos 3 meses 

Saiba qual é a prestação da sua nova casa no nosso Simulador de Crédito Habitação.

RECEBA UMA SIMULAÇÃO DE CRÉDITO HABITAÇÃO GRATUÍTA, SEM COMPRIMISSO.

Somos intermediários de crédito certificados pelo Banco de Portugal com o n.º 0002779. Encontra aqui a lista de intermediários de crédito registados no Banco de Portugal.
Temos protocolo com todos os bancos, e consultores financeiros especializados que lhe podem fazer um estudo comparativo das várias soluções de crédito, para que possa decidir de uma forma informada.
 
Receba a sua simulação de crédito habitação, sem compromisso.
 

Guerra de spreads nos empréstimos da casa: BCP corta margem mínima para 1%

Guerra de Spread no Empréstimo à habitação
A guerra de spreads marcou o arranque do ano. O Eurobic atualizou o preçário dos empréstimos para a compra de casa logo em janeiro, com uma revisão em baixa de 1,2% para 1,1%.

O BCP cortou o spread (a margem mínima) para 1%, e passa a partilhar a taxa mais atrativa de mercado com o Bankinter.

O BCP deixou para trás o EuroBic e o Banco CTT, com que partilhava até agora o spread de 1,1%, demarcando-se dos principais concorrentes, nomeadamente do BPI, Santander, CGD e Novo Banco. O Montepio está nos 1,175%.

BPI, Santander Totta e Crédito Agrícola estão no meio da tabela, oferecendo um spread de 1,2%. Segue-se a CGD, que cobra uma taxa de 1,23% e, depois, o Novo Banco, que continua a ser a instituição financeira com a taxa mais elevada, de 1,25%.

Num contexto de taxas de juro historicamente baixas, mesmo negativas, a banca continua a ter incentivos a conceder crédito, nomeadamente para a compra de casa, apesar dos recorrentes alertas de risco para o sistema financeiro, por parte dos reguladores.

Prova disso mesmo é que o financiamento para a compra de casa continua a aumentar. Em 2019, os bancos disponibilizaram 10,6 mil milhões de euros em empréstimos para esse fim.

Saiba se o spread mínimo se aplica ao seu caso, em específico.

RECEBA UMA SIMULAÇÃO DE CRÉDITO HABITAÇÃO GRATUÍTA, SEM COMPRIMISSO.

Somos intermediários de crédito certificados pelo Banco de Portugal com o n.º 0002779. Encontra aqui a lista de intermediários de crédito registados no Banco de Portugal.
Temos protocolo com todos os bancos, e consultores financeiros especializados que lhe podem fazer um estudo comparativo das várias soluções de crédito, para que possa decidir de uma forma informada.
Encontre aqui os documentos necessários para a sua simulação, que deverá enviar diretamente para o consultor financeiro indicado. 
 
Receba a sua simulação de crédito habitação, sem compromisso.